A Sinuosa Dança do Real e do Ficcional em Javier Cercas

Davi Santana de Lara

Resumo


: Este trabalho estuda a dinâmica entre o real e o ficcional no escritor espanhol Javier Cercas. Na primeira parte, faço uma leitura do romance Soldados de Salamina (2001) destacando a ambiguidade quanto ao pacto de leitura, que mescla o pacto ficcional e o pacto referencial. Para tanto, buscou-se dialogar com a teoria de matriz estruturalista, para mostrar que ela, por conta de uma taxonomia rígida, apresenta uma resistência contra um gênero híbrido como a autoficção. Em seguida, eu analiso O Motivo (1087), uma novela do primeiro livro de Cercas, em que se usa a metalepse, uma figura narrativa em que dois diferentes níveis diegéticos se interpenetram. Por fim, eu argumento a favor da hipótese de que a metalepse é uma precursora da autoficção. Tanto a metalepse como a autoficção representam uma transgressão do nosso modo de ver a ficção por atentar contra a verossimilhança e a objetificação estética da literatura.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.